Influência da Indústria

Resumo do tópico enviado por volunteer (s): Linda

Muito do que comemos é influenciado não apenas pelo que os restaurantes e mercearias oferecem, mas também pelas associações que representam várias indústrias alimentícias. Associações bem financiadas podem influenciar a legislação, regulamentos, diretrizes dietéticas, pesquisa nutricional e mensagens públicas.

As indústrias de açúcar , sal , ovo , frango , carne bovina , suína , peixe , suco , laticínios e salgadinhos têm sido acusadas de minimizar os riscos de seus produtos, enquanto a indústria de suplementos nutricionais tem sido freqüentemente acusada de exagerar suas alegações de marketing.

As associações industriais frequentemente subscrevem estudos de pesquisa, às vezes produzindo um “ efeito de financiamento ”, a distorção dos resultados favoráveis ​​aos financiadores de pesquisa. Os exemplos incluem um estudo mostrando que as jujubas podem ajudar a melhorar o desempenho esportivo, outras demonstrando que os kiwis podem ajudar a tratar a insônia , e outra estimulando a eficácia da água na concentração mental. Em parceria com diferentes grupos comunitários, algumas indústrias alimentícias promoveram a mensagem de que a inatividade , em vez de alimentos ricos em calorias, é a principal causa da obesidade . Às vezes, estudos financiados pela indústria produzem resultados consistentes com pesquisas não financiadas pela indústria,indústrias de chocolate , mirtilo e nozes . 

O agronegócio influenciou com sucesso as diretrizes do governo sobre o que comer. Em contraste com a Grécia , onde a agência nacional de saúde e bem-estar faz recomendações dietéticas públicas, nos Estados Unidos, o Departamento de Agricultura (USDA) faz as recomendações. Críticos dizem que o mandato do USDA para promover o agronegócio pode entrar em conflito com sua responsabilidade de fornecer conselhos sobre dietas públicas. Segundo consta, o Comitê de Diretrizes do USDA de 2010 teve menos influência corporativa do que os grupos anteriores, resultando em alimentos à base de vegetais sendo enfatizados mais do que nunca.

A influência da indústria da carne pode ser uma razão pela qual os antibióticos continuam a ser usados ​​como ração animal, os padrões de bactérias são menos rigorosos do que poderiam ser, e abordagens questionáveis ​​como vírus como um aditivo alimentar recebem consideração séria. Em vários tipos de alimentos, a influência da indústria ajudou a manter possíveis aditivos legais, como gorduras trans , cor caramelo e fosfatos . Regulamentos de pesticidas, como os relacionados ao Roundup , parecem se basear mais em fatores econômicos do que científicos.

indústria farmacêutica questionou a eficácia de certos alimentos à base de plantas como tratamento para condições médicas específicas. O financiamento de pesquisa para explorar o que a nutrição de plantas pode fazer é provavelmente baixo, pelo menos em parte, porque as plantas, a menos que geneticamente modificadas, não podem ser patenteadas . Tradicionalmente, a indústria farmacêutica tem se concentrado no desenvolvimento de medicamentos com ações muito específicas, em vez de promover a saúde em geral.

A legislação proposta da Califórnia que apóia a educação nutricional para médicos foi enfraquecida pela aparente influência da profissão médica. O balanço de evidências que sustentam uma dieta baseada em vegetais é frequentemente rejeitado pelos médicos em face da sabedoria convencional predominante . A indústria de fast food promove uma imagem positiva com médicos e pacientes, localizando seus restaurantes em hospitais e doando para causas hospitalares.

 

julio tafforelli

Psicanalista junguiano com especialização em compulsão alimentar, dietas para reversão de diabetes, dieta cetogênica (low-carb ) para tratamento da obesidade. Praticante da dieta cetogênica há mais de dois anos com experiencia em alimentos brasileiros orgânicos apropriados. Praticante de meditação, técnicas de controle de estresse, tango de salão e ginastica hiit para longevidade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *